Home » Ad Tech » Panorama do mercado móvel no Brasil e LATAM para 2014
Panorama do mercado móvel no Brasil e LATAM para 2014

Panorama do mercado móvel no Brasil e LATAM para 2014

Por André Sandoval da US Media Consulting

O mercado móvel da América Latina tem crescido de forma rápida e vertiginosa, mostrando novas tendências em termos de comportamento e uso. Se a tarefa de classificar os dados apenas para entendê-los já é desafiadora, imagine então tirar proveito deles. Por isso, decidimos oferecer um panorama estatístico para ajudar a destacar fatos importantes que podem influenciar a criação de campanhas publicitárias móveis na América Latina em 2014 e no futuro.

Usuários de celulares
De acordo com a GSMA, a América Latina possui 328 milhões de usuários individuais de serviços móveis. Até o final de 2014, o número de usuários de celulares naAmérica Latina alcançará a marca dos 341 milhões e, em 2017, de 374 milhões.

Maiores mercados
Brasil tem 112 milhões de usuários de celulares, seguido pelo México (97,6 milhões) e Argentina (53 milhões).

Crescimento da internet móvel
Um relatório do site Guialocal.com intitulado Invasión móvel Latinoamerica 2013analisa o mercado móvel da América Latina a partir de diferentes perspectivas. Um delas refere-se ao crescimento de usuários que acessam a internet de um smartphoneou tablet. A Costa Rica liderou a América Latina nessa área em 2013, com um aumento de 332%. O Brasil foi o segundo que mais cresceu em número de usuários de internet móvel (244%), seguido da Argentina (221%), Colômbia (216%), México (213%), Chile (185%), Porto Rico (166%), El Salvador (161%) e Venezuela (161%).

Conexões de banda larga móvel
De acordo com o relatório da GSMA – Mobile Economy Latin America 2013 – as conexões de banda larga móvel na América Latina alcançarão a marca de 275 milhões em 2014 e de 500 milhões em 2017.

Smartphones
No final de 2013, o número de proprietários de smartphones na América Latina era de 114 milhões e, no final de 2014, será de 146 milhões. Em 2017, serão 243 milhões de proprietários de smartphones na América Latina, com 44% de penetração geral desses dispositivos. Analisando os principais mercados, descobrimos o seguinte:

  • A Argentina terá 12,7 milhões de usuários de smartphones em 2014
  • O Brasil registrará 41 milhões de usuários de smartphones em 2014
  • O México terá 33 milhões de usuários de smartphones em 2014 e as vendas gerais desses dispositivos em 2014 (incluindo usuários novos e existentes) devem alcançar mais de 37 milhões de unidades

Para outros mercados, é mais difícil determinar o número exato de usuários desmartphones. Apesar disso, eis o que sabemos:

  • As vendas de smartphones no Chile ultrapassaram 6,6 milhões de unidades em 2013 e a penetração é pouco superior a 25%
  • No final de 2013, a penetração de smartphones no Peru cresceu de 14% para 17%
  • De acordo com a GSMA, a penetração de smartphones no Uruguai e na Venezuela situou-se ligeiramente acima de 20%
  • A GSMA relatou que a penetração de smartphones na Bolívia foi de 10% em 2013
  • O Equador registrou uma penetração de smartphones de quase 20% em 2013
  • Smartphones responderam por mais de um terço dos 12 milhões de celulares vendidos na Colômbia em 2013
  • Mais de 2,6 milhões de smartphones foram vendidos no Peru em 2013 e esse número deve subir para 4,9 milhões em 2014
  • A Scarborough relatou uma taxa de penetração de smartphones de 36% em Porto Rico em 2013
  • A penetração de smartphones na Venezuela foi de 30% em 2013

Tablets

  • De acordo com a IDC, as vendas de tablets no México em 2013 alcançaram a marca de 4,3 milhões e, em 2014, 6,2 milhões de unidades serão vendidas no país
  • Mais de 900 mil tablets foram vendidos na Argentina em 2013, contra 400 mil unidades em 2012 e 233 mil em 2011
  • As vendas de tablets no Brasil registraram aumento de 119% em 2013 e alcançaram quase 8 milhões de unidades – em 2014, serão 10,7 milhões; estima-se que o número de tablets em uso no Brasil supere a marca dos 11 milhões
  • Mais de 1,6 milhão de tablets deverão ser vendidos em 2014 no Peru: foram 828 mil unidades em 2013, um aumento de 132% frente a 2012
  • As vendas de tablets triplicaram no Chile em 2013 e alcançaram a marca de 1,5 milhão, com projeção de chegar a mais de dois milhões de unidades vendidas em 2014

Aplicativos móveis
De acordo com a Competitive Intelligence Unit, a taxa de penetração de aplicativos móveis na América Latina foi de 28% em novembro de 2013. A maioria dos latino-americanos prefere aplicativos gratuitos aos pagos. Os aplicativos da Google Play ficaram com a maior fatia do mercado (41,5%).

Aplicativos populares
De acordo com um estudo conduzido pela Softonic em 2013, os aplicativos mais baixados em espanhol foram o WhatsApp e os aplicativos móveis do Facebook e do Opera Mini. Uma pesquisa feita pela Qualcomm mostrou que o WhatsApp foi o aplicativo mais popular entre os brasileiros, seguido pelo WeChat e o aplicativo móvel do Facebook. Outro estudo da OnDevice mostrou que o WhatsApp está em 72% dos smartphones no Brasil, enquanto o Facebook Messenger está instalado em 49% deles e o Skype, com 30%, ficou em terceiro lugar.

Investimento em anúncios móveis
De acordo com a eMarketer, o México é líder na América Latina em investimentos com publicidade móvel e a empresa estima que esses investimentos no país aumentarão 87% em 2014, alcançando um total de US$ 173 milhões. Em comparação, os investimentos com publicidade móvel no Brasil devem somar US$ 132 milhões em 2014. Apesar disso, a eMarketer acredita que os investimentos em anúncios móveis no Brasil cresçam e cheguem a US$ 731 milhões em 2017. Embora outros países da Latam não registrem o mesmo nível de aumento de investimentos com publicidade móvel, o gerente de planejamento publicitário da Telefónica Digital na América Latina, Leonardo Hilario, recentemente projetou que a publicidade móvel crescerá 70% ao ano até 2017.

Fonte.

 

About Luis Felipe Grassitelli

Trabalhando com as plataformas de monetização do Google para os maiores veículos digitais da América Latina. Passou pela área de mídias digitais e plataformas na Rede Globo e foi coordenador de produtos de Ad Tech e especialista de mercado na Predicta.É Co-Fundador do Digitalking e louco por natureza. Empreendedor que joga poker, anda de skate, escreve, joga bola, lê e escuta muita música.